Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Post adiado

por Ni, em 17.07.11

Desveria escrever aqui do desânimo que hoje me invadiu, desta sensação estranha de que hoje só pode ser segunda-feira, de manhã!, de como coisas banais marcam os meus dias, mas, desculpem lá, o meu filho anda aqui de volta de mim com a sua inseparável bola e geme para eu lha atirar e já ma jogou às mãos duas vezes, por isso, vou ali ao parque fazer uma partidinha de futebol e já volto...

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Time out

por Ni, em 13.07.11

Ontem saí com uns colegas. Parecendo algo banal, que toda a gente faz, não consigo lembrar-me da última vez que saí com colegas, sozinha, entenda-se! É bom conhecer um pouco mais as pessoas com quem trabalho, para além daquilo que elas são no trabalho. Todos temos mais ou menos uma personalidade de trabalho que não corresponde necessariamente aquilo que se é enquanto pessoa. Como uma farda de trabalho. Sair da escola dá essa possibilidade, porque mesmo nos jantares dentro da escola todos te continuam a tratar por professor, falam de assuntos de professor, mantêm uma postura de professor.

 

Ontem, embora o tema principal tenha sido professores, e avaliação de professores {#emotions_dlg.confused}, foi possível falar de outras coisas, afinar pontos... Uma das pessoas com quem saí está próximo de tornar-se minha amiga; outra reúne muitas condições para se tornar minha amiga; as restantes, pelo que conheço delas, não serão minhas amigas. Mas é essa impossibilidade que aligeira as situações. Não há um esforço de retorno. Numa amizade tens de estar lá, tens de corresponder, tens de alimentar a relação e, às vezes, muito, muito raramente, apetece não estar lá, não dar nada, apenas gozar a caipirinha e a música.

 

P.S. Também percebi que se me deitar mais tarde do que o costume, mesmo que seja porque me estou a divertir e não a tratar dos filhos, no dia seguinte os relatórios custam a escrever e demoro o dobro, triplo?, do tempo. A força do tempo...

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O outro lado de mim

por Ni, em 13.07.11

Esta não é a minha vida. Esta não sou eu.

 

Hoje.

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Doce J.

por Ni, em 08.07.11

Tenho pressa de te ter nos meus braços, de te tocar, de te sentir. Sei que precisas de tempo, sei que precisas de crescer, sei que precisas de nascer e, novamente, crescer e, novamente, um tempo, prometo que pequeno, pequeníssimo, para me amares. Eu amo-te, assim, às escuras, sem te ver, sem te conhecer, sem te ter. 

Quando for o teu tempo, e vieres para nós, vais sentir este amor e vais querer mais, porque é bom ser amado assim, e nascer do amor, no amor, com amor, e vais ser feliz, porque a tua (fada) madrinha assim o quis!

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Ecos da memória

por Ni, em 08.07.11

Enquanto desfio as linhas dos relatórios-cogumelos que ainda tenho de fazer, há palavras que me aliciam para fugir da "Introdução- clarificação dos motivos...", que me desencaminham  das "Metodologias utilizadas", que dentro da minha mente vão soando "Amo-te, Flor!". Decidida, reflito sobre a mudança de práticas, mas de novo "Não me deixes, Flor!" 

Zango-me! Preciso mesmo de terminar este relatório! "Que eu me sinto em flor/Quando vivo em ti!" 

Não adianta. Desisto. Rendo-me. Tenho de as encontrar, tenho de vasculhar os papéis, porque elas chamam por mim, gritam-me. Não consigo concentrar-me com tanto barulho na minha cabeça. 

 

Num álbum antigo, descubro as palavras que não são minhas, recortadas em papel quadriculado amarelecido:

 

Amo o silêncio

do teu silêncio

quando em silêncio

me vens beijar.

 

Teu corpo azul

é mais azul

que o mais azul

azul do mar.

 

Amo-te, flor!

Não me deixes, flor!

Que eu me sinto em flor

quando vivo em ti!

 

Sinto saudades

de sentir saudades

por essas saudades

que ontem senti.

 

À sombra dos meus desejos, 

quem me dera naufragar.

Lava-me a boca com beijos

Leva-me para o alto mar.

 

Palavras adolescentes de um amor adolescente. Silêncio... Posso, enfim, voltar para os meus relatórios.

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O outro lado do lado mau

por Ni, em 06.07.11

Os meus dois, vá lá três, leitores sabem que eu não acredito em anjinhos nem em bruxinhas. Acredito que todas as pessoas têm um lado bom e um lado mau e, mesmo aquelas onde o lado mau é predominante (algumas só têm mesmo o lado esquerdo da unha do dedo mindinho bom), mesmo essas, por vezes, não são más intencionalmente. São más porque a vida a isso as obrigou, porque o feitio a isso as obrigou, porque nasceram más, porque querem ser mais do que as menos más... Por vezes, até, é uma questão de ponto de vista. Na verdade, nem gosto muito de gente boazinha. O que raio é isso? Gente tacanha e mole, incapaz de fazer frente a uma aragem.

 

Vem este discurso, cheio de verdades de la Palisse, a propósito de esta minha maneira de ser, total, completa e irremediavelmente, desconfiada. Sou desconfiada de toda a gente. Aliás, a par da teoria "não há pessoas completamente boas, não há pessoas completamente más", vem a teoria "ninguém é quem parece ser". No entanto, o que é surpreendente é que, cruzando as duas teorias, isto pode resultar numa boa surpresa e, no final, até vimos a verificar que o tal lado esquerdo da unha do dedo mindinho que julgávamos ser o lado bom é o lado mau, e o resto é o lado bom, mas está tudo camuflado com verniz.

 

Na Prova Oral de um destes dias, o Fernando Alvim dizia que detestava a internet e as redes sociais porque tudo era trabalhado com o fotoshop. Eu concordo inteiramente com ele. Toda a gente aparece nas suas melhores fotos, a dizer as melhores frases (quase sempre de outros), toda a gente é muito culta, muito esperta, muito linda!Mas esta é uma realidade com a qual lido bem e para a qual estou preparada; não lido bem, ainda, é com o facto de as pessoas usarem fotoshop na vida real.

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Louca, sim...

por Ni, em 05.07.11

Autoria e outros dados (tags, etc)


Coisas boas da vida

por Ni, em 04.07.11

Caiu o primeiro dente de leite da minha filhota e ela anunciou aos sete ventos (educadoras, avó, madrinha, senhora da padaria, senhora com quem nos cruzámos no passeio que se riu ao vê-la de mão dada com o irmão...), anunciou que já era mais velha e que estava desdentada e que já era mais velha... e no momento de se deitar, de colocar o dente debaixo da almofada à espera da fada dos dentes, foi perguntando se ela conhecia o Pai Natal, se fazia barulho e, baixando a voz com os olhitos assustados, se eu tinha tido medo quando a fada dos dentes levou o meu dente, se funcionava também pôr o dente debaixo da minha almofada, no meu quarto...

Todos os dias descubro que ser mãe é mesmo assim: orgulhas-te da tua menina que está tão crescida e divides a tua almofada com um dentinho, enquanto aguardas a chegada da fada dos dentes, conhecida do Pai natal!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Telemóvel para Saramago

por Ni, em 04.07.11

Coisas estranhas que me aconteceram hoje: descobri que gosto do meu telemóvel novo, que é mesmo novo e não uma sobra qualquer do marido, e que custou mais de 40 euros; usei o telemóvel para algo mais do que receber/enviar sms e receber/fazer chamadas.

 

De forma menos estranha, e utilizando o telemóvel novo {#emotions_dlg.blink}, enquanto a miúda estava na piscina, consegui ouvir Pilar del Rio a falar do maravilhoso Saramago e a confirmar-me o enorme poder que tinha sobre as palavras. Na "Prova Oral", programa da Antena 3 que ouço desde há mil anos, sempre que posso, esta senhora disse algumas verdades tão cruéis como "levantem o cu das cadeiras e façam alguma coisa pelas vossas vidas", "os portugueses só têm um bem, um património, uma fonte de rendimento; não têm indústria, nem agricultura, apenas, e só, uma coisa em que são bons: a cultura (amabilidade como nenhum outro povo, águas limpas, paisagens maravilhosas, e isto também é cultura...); depois, utilizou uma frase de Saramago que eu já conhecia, mas de que não me lembrava, e que muita gente devia seguir: Existem duas super-potências no mundo - os Estados Unidos e tu!

Ah! Esquecia-me que entre as coisas estranhas que me aconteceram hoje, frequentei (primeiro dia {#emotions_dlg.sad}) uma acção de formação tão boa, tão boa, tão boa, que no meu blog estou a escrever sobre telemóveis...

 

...aqui, deste lado da montanha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Só queria um livrinho escrito em bom português (com ou sem acordo), que não fosse sobre vampiros, sobre mulheres queimadas, ou, pior ainda, a última moda, livros fait-divers, sobre a miúda que desapareceu, o cronista assassinado, o futebolista falhado... e, já agora, nada de romances de cordel à boa maneira da Bianca, mas com capas à escritor, e, se não for pedir muito, dispensam-se livros sobre filosofias baratas acerca de felicidade e de como ser feliz em dez passos ou a comer e a rezar...

Assim sendo, excluídos 97% por cento dos livros em exposição, sobram os de Saramago, lidos e relidos,os de António Lobo Antunes, que não consigo ler - sim, cruéis inimigos, têm aqui a oportunidade de me espezinharem, de me atirarem à lama e de me verem cair, não consigo ler Lobo Antunes (num outro post vos explicarei estes melindres da leitura) - e, escondido, atrás de um qualquer de Paulo Coelho, descubro o último de Lídia Jorge. Pego-lhe, misto de desalento, desespero e resignação.

Inventem-se novos escritores!Tanta escrita e tão pouca leitura!

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D