Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Aos quarenta...

por Ni, em 31.12.14

Aos quarenta não te apetecem posts sobre o melhor de 2014. Aos quarenta, sabes que a vida são dois dias, e um já passou. Aos quarenta é como se pudesses começar tudo de novo, e saber o que já sabes. Recomeças (e eu adoro recomeços!).

Aos quarenta és imensamente feliz com o que conquistaste e mais feliz, ainda, porque tens planos e sonhos para conquistar. Viajaste e tens tantas viagens para fazer. Aprendeste e tens tanto para aprender. Dançaste e tens tantas músicas para dançar. É aquilo que nos falta fazer amanhã que dá magia à vida. 

Não faço o balanço de um ano, mas sim de quarenta, porque não quero escrever sobre a doença que assombrou este ano, nem das noites solitárias, nem da morte da mãe do meu amor grande a quem disse as últimas palavras, nem do choque de me morrer nas mãos uma colega de hidroginástica. Não quero! Quero, antes, escrever sobre a vida que brilha nos olhos dos meus filhos, sobre o calor dos braços do meu homem e gritar, e brindar, ao nascimento do meu mais novo pequeno-amor-sobrinho-afilhado. Por isso, não faço o balanço de um ano, mas sim de quarenta...

De todos os meus aniversários este foi o melhor de todos, porque me agrada esta pessoa em quem me vou tornando todos os dias um bocadinho. Amo, sou amada e tenho prazer em viver!

Fiz quarenta anos, e isso foi o melhor que me aconteceu em 2014. Sem lamechices. 

Isso e... ter voltado a escrever no outro lado da montanha! Os meus dois, vá lá, três leitores estavam cheios de saudades, não?

 

...aqui, deste lado da montanha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


um ano, uma palavra

por Ni, em 30.12.14

Devia escrever sobre 2014.

 

Mas para o ano que termina as palavras são poucas, escassas e fugidias, ainda. 

Os dias sucederam-se numa luta inglória contra um inimigo que acabou por vencer. Foi o ano em que fiquei mais pobre, menos amada, mais sofrida. Foi o ano em que percebi que o cancro é uma doença que consome tudo à sua volta. Não apenas um corpo, não apenas uma pessoa, mas principalmente a vontade, a esperança. Agora, tudo é só ausência e saudade. 

 

Se pudesse dizer numa palavra o que foi 2014, se todas as emoções, as lágrimas, os conflitos, os sentimentos coubessem num palavra, essa palavra seria VIDA. Fugaz, imensa, valiosíssima VIDA.

 

...aqui, deste lado da montanha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





Do outro lado