Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Para ti

por Ni, em 26.02.10

 Não me sai da cabeça... e tu também não.

 

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Viva! Viva!

por Ni, em 25.02.10

 Et voilá! Primeira noite completa... do bébucho, porque eu acordei, pela rotina. Força do hábito. Agora, vamos esperar pelas próximas noites.

 

... aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Quando for grande

por Ni, em 24.02.10

Princesa: Mamã, como se chama a tua professora?

Eu: Ó filha, eu é que sou a professora, não tenho nenhuma professora.

Princesa: Porque é que tu és professora?

Eu: Porque escolhi ser professora.

Princesa: Eu vou escolher ser doutora-cabeleireira... (Até agora, as escolhas foram, por esta ordem, dentista, esteticista, doutora, cabeleireira, pai-natal e, agora, doutora-cabeleireira)

Eu: Boa ideia, amor.

Princesa: E para a outra vez(), quero ser noiva e princesa!

 

...aqui, deste lado da montanha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


O outro lado da morte

por Ni, em 24.02.10

 Tenho sempre muita dificuldade em ir a funerais. Talvez toda a gente tenha, mas o meu lado anti-social revela-se sempre um pouco mais nestas "manifestações colectivas". Penso que um funeral devia ser algo íntimo, mas não é e, às vezes, nós que quisemos tanto aquela pessoa nem temos tempo para a chorar. 

 

Compreendo que um funeral é um momento de dor e que, por vezes, as pessoas vão a um funeral por solidariedade com a dor de outra pessoa. E é bom, muito bom, sentir o apoio desses amigos.

 

Não compreendo que pessoas que nunca quiseram saber se alguém está bem de saúde, se tem o que comer, se tem o que vestir, se é feliz, apareçam, no dia do seu funeral, a chorar a sua morte, preocupados, apenas, com a sua própria pseudo-dor. Choram, não lágrimas do coração, mas apenas lágrimas de intenção. São as chamadas más intenções...

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Morte

por Ni, em 24.02.10

 A Tia morreu. Prefiro esquecer os últimos meses em que não a reconhecia e recordar a pessoa adorável que ela sempre foi para mim. A Tia era a matriarca da família do meu marido. Tinha uma gargalhada maravilhosa, um abraço acolhedor, uma mentalidade jovem. 

 

Pouco tempo depois de me conhecer, convidou-nos a ficar nos anexos, quando íamos de fim-de-semana. Dizia que ninguém os usava, que lá estávamos à vontade. E estivemos. Sempre. Nunca me senti uma intrusa ou, sequer, uma visita. Nunca ela invadiu a nossa privacidade. Nunca lá entrou sem ser convidada e, no entanto, a casa era dela.

 

Muitas vezes ia para ao pé dela, na sala, na adega, ou no quintal, e ficávamos juntas, conversávamos. Eu gostava das ideias dela, dos valores dela, da franqueza, às vezes dura, dela. Mas o que mais admirava nela era a capacidade astuta de ler as pessoas e distinguir os sentimentos sinceros dos interesseiros.

 

E, assim, recordá-la-ei no carreirinho do quintal, que era uma jardim, rodeada pelas suas roseiras e cheia de gargalhadas para nos dar. E gostaria de morrer assim, aos 90 anos, com alguém a recordar-me como eu a recordo a ela.

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Maternal_mente

por Ni, em 21.02.10

 E, de repente, chegamos ao fim do dia e lembramo-nos que ainda não tivemos tempo para um banho. E lembramo-nos que temos tomado banho sem tempo para banho, dia atrás de dia, mês atrás de mês. E lembramo-nos dos banhos com tempo para banhos, com tempo para a água quente, com tempo para as toalhas, com tempo para o cabelo, com tempo para os cremes, com tempo para olhar para o espelho e nos reconhecermos no reflexo.

 

E corro para o duche. Bebé na espreguiçadeira. Tiro a roupa. Consolo o bebé que chora. Passo-me por água. O bebé chora. Champô. A pequena bate à porta. Gel duche. A filha grita que quer entrar. Amaciador. O bebé chora. Saio do duche e abro a porta. Volto para o duche. Tiro o amaciador. Ela insiste em se meter com o bebé. Ele chora. Esqueci-me da toalha. Pego o bebé ao colo. Enrolo uma toalha. Ela quer brincar comigo. Ele cala-se. Visto fato de treino e sinto, ainda, água nas pernas, nas costas. Esqueço os cabelos. Amamento o bebé e, com  uma mão livre, brinco com a pequena.

 

Dias de banhos sem tempo para banhos.

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Entre termómetros...

por Ni, em 17.02.10

 Entre a febre que vem e a febre que desaparece, a febre que tem atacado, dia sim, dia não, a Princesa, que atacou o beberrucho, que me atacou a mim, sobrou, no essencial:

a minha mana a fazer-me imaginá-la linda de noiva, porque há mulheres assim: nasceram para vestir um vestido de noiva!! E não, ela não vai de chapéu de cowboy, mas não há sapos de véu...

a minha princesa linda vestida de sevilhana, embora ela diga que é a Branca de Neve(?). A avó acertou em cheio com o vestido comprido cheio de folhos; o pior é que, agora, quer usá-lo todos os dias...

a conversa boa, que pode muito bem ter criado uma nova "moda", no falar e no fazer: vira-te e esboracha-o!

o meu beberrucho que está cada vez mais cutchi-cutchi.

o meu amor, porque foi dia dos namorados e nós somos muito namorados, e não é só no dia dos namorados.

Caim e A sombra do que fomos acabados e Amor no rio das pérolas a começar.

 

Isto tudo, sempre, sempre, entre termómetros. Já estou farta! Mas, há sempre qualquer coisa boa para contar, como se vê.

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


A Pompinhas está em casa...

por Ni, em 11.02.10

 (...e este post é dela!!!)

 

 SOFIA 

 

SOFIA 

 

 

(e como vêem o ben-u-ron fez efeito)

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Help!

por Ni, em 11.02.10

 Que m¨¨¨a de praga é esta que não consigo que os meus amorzinhos fiquem bem? Ainda estava no consultório da enfermeira com o bebé, a contar das dores da noite e a preparar-me para o pós-vacina, e já estava a receber telefonema da creche da Pompinhas, que estava (novamente) com febre! Chiça!! É caso para dizer "eu não acredito em bruxas, mas que as há, há!"

 

...aqui, deste lado da montanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Parabéns, mundo!

por Ni, em 10.02.10

 Este post poderia, muito bem, ser um lamento dos últimos dois (a juntar aos x anteriores) estranhos dias, em que, entre casa e o hospital, temo pela saúde da pompinhas, Mas, NÃO É!

 

Este post é só para parabenizar o mundo pela pequena Leonor, que, apressadinha, já chegou para nos conhecer a todos. Parabéns aos papás! E tudo de bom para a princesa! A homeland está maior!!

 

... aqui, deste lado da montanha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





Do outro lado